Faltou cabeça … O psicológico não ajudou!!

Quem já não leu isso no jornal ou escutou os “comentaristas” esportivos no domingo a noite, ou os próprios atletas, falando essa “maldita” frase? (Estou me referindo ao futebol, ate porque é difícil a mídia se preocupar com os esportes aquáticos), mas cabe trazer para os esportes aquáticos.

E o que acontece no próximo jogo ou competição?! NADA… Tudo continua igual. Ou então contratam um psicólogo ou um coach para dar uma palestra motivacional ou fazer um trabalho de um mês acreditando que tudo vai se resolver.

O atleta criou hábitos de pensamentos e comportamentos que não são adequados para um ótimo desempenho.

Mas ele criou esses hábitos não foi de um dia para o outro, esses hábitos foram bem alimentados e cultivados durante temporadas, anos, e o que quero dizer é que vai demorar um tempo para introjetar novos hábitos. Esses hábitos foram regados e adubados diariamente, foram tratados a pão-de-ló como diria o pessoal das antigas.

Ah, imagina, que habito que eu (atleta-técnico-comissão técnica) criei? Eu “tô” 100% ligado no meu psicológico ! Posso fazer uma vasta lista, mas vou me ater ao mais comum.

Qual é o pensamento que você tem ao acordar no dia da competição? Você esta mais para pensar assim : Vou fazer o meu máximo, estou super bem treinado? Vou provar para Posseidon (para dar um ar mais grego, mas pode ser Netuno também )  que hoje sou a rainha ou o rei da piscina ou do mar.  Ou você esta mais para esse tipo de atleta:  puxa ta frio… ou ta muito quente, não estou me sentido bem, detesto nadar nessa piscina, o mar ta mexido…  Soa familiar?

Nossa mente não difere o que é real do que imaginário, faz o que pedimos, simples assim. Preste atenção:

– Hei aqui agora comigo, foca no exemplo : Se eu te pedir para pensar em bolo de chocolate, você pensa no que? Em bolo de laranja? E se eu pedi para você não pensar no bolo de chocolate, aquele com sua cobertura favorita, nessa hora do dia que o bolo de chocolate que você não precisa pensar cairia superbem…. Sabe o bolo de chocolate que eu pedi para você não pensar esta super macio ……Tenho certeza que você pensou no bolo e até salivou….

É assim que criamos nossos hábitos, dando comandos para nossa mente que não nos levam ao lugar que queremos.

Não é que faltou cabeça, a cabeça estava presente na sua prova o tempo inteiro, mas não de forma a saber lidar com a pressão que existe na competição.

Da próxima vez que for nadar, mude sua atitude, mude a forma que encara sua prova. Esse é o primeiro passo para mudar os seus hábitos e otimizar seu rendimento.

Como fazer isso … Ah… espere o próximo post!

Até a próxima,

Márcia Martins

Psicologa do Esporte e palestrante do 14o Encontro de Técnicos
instagram: @márcia_indiani